Domingo, 6 de Agosto de 2017
3 ilusões óticas que desvendam as fraquezas do cérebro

 

Acha mesmo que pode confiar no seu cérebro? Estas 3 ilusões óticas desvendam as fraquezas daquela que é uma das máquinas mais poderosas do mundo: a nossa mente. E explica-nos alguns dos seus segredos.

Getty Images/iStockphoto

 

O cérebro tem cerca de 86 mil milhões de neurónios e uma das suas funções essenciais é aceder aos 576 megapíxeis dos nossos olhos para saber interpretar a realidade. Mas consegue-o? Não. Pelo menos nem sempre: o que nós vemos não é a realidade, mas sim o que o cérebro retira dela. E às vezes isso não é suficiente.

Isto mesmo é o que provam estas três ilusões óticas: o cérebro não foi feito para fotografar o mundo por nós, mas sim para ser meramente funcional. O que ele faz é encontrar formas e objetos em vez de nos mostrar o mundo como ele realmente é. Na tentativa de nos poupar aos pensamentos mais mecânicos, o cérebro pode confundir-se e enganar-nos. E as próximas três imagem explicam como, desvendando assim as fraquezas de uma das máquinas mais poderosas do mundo: a nossa mente.

 

A ilusão do sexo

Créditos: Richard Russell, 2009.

Qual destes rostos pertence a uma pessoa do sexo masculino e qual deles pertence a alguém do sexo feminino? A resposta a esta ilusão, criada em 2009 na Universidade de Harvard (EUA) por Richard Russell, é simples: ambas as imagens mostram o mesmo rosto. E esse rosto não é nem feminino, nem masculino porque foi criado virtualmente para ser andrógino. A maior parte das pessoas, no entanto, não chega rapidamente a esta conclusão: para muitos, o rosto da esquerda mostra uma mulher e o rosto da direita mostra um homem. Mas porquê?

A ilusão funciona porque o tom de pele da suposta mulher parece ser mais claro do que o tom de pele do suposto homem. Alterando os tons de pele em computador isso afeta também o contraste do rosto, ou seja, a diferença de cores entre as partes mais escuras (como os lábios ou olhos) e as partes mais claras (a pele). Inconscientemente, o cérebro humano faz uma interpretação dessa informação e julga que, se um rosto parece ter muito contraste entre essas partes, então pertence a uma mulher. Se o contraste for mais baixo, então o rosto será de um homem.

Numa situação normal, não temos noção de que distinguimos dois sexos através do contraste do seu rosto: achamos que diferenciamos a cara de um homem da cara de uma mulher através do formato dos lábios, da textura da pele ou dos olhos. Mas quando nenhum desses elementos nos despertam respostas, o cérebro procura-as no contraste. Tudo isto de forma inconsciente para nós, como se o cérebro nos fintasse porque está a ser fintado. E isto funciona porque, como numa base de dados, o cérebro recupera as suas memórias de homens e mulheres para compará-las com o rosto à nossa frente e tirar as suas próprias conclusões.

A ilusão do cofre

Créditos: Anthony Norcia, 2006.

O que vê quando olha para esta imagem? Uma série de quadrados. Mas reserve alguns segundos para olhar com mais atenção para a imagem. O que começa a ver ao fim de algum tempo? A maior parte das pessoas precisa de mais atenção para que o cérebro interprete, no meio de centenas de quadrados, 16 círculos feitos com segmentos dos quadrados que compõem o fundo da imagem. O que está a acontecer?

Esta é uma ilusão adaptada em 2006 por Anthony Norcia de um outro exercício composto por Gianni Sarcone. E funciona porque é uma imagem ambígua, o que contraria uma das funções que o cérebro desempenha melhor: identificar objetos. O cérebro humano está concebido para juntar pedaços de imagens que identificamos como formas para depois interpretá-las como objetos. Acontece que nem todas as imagens do mundo podem ser estudadas assim: há imagens ambíguas, que podem ser tanto uma coisa como outra. Neste caso, um único conjunto de linhas horizontais podem formar um círculo. O cérebro não pode chegar a respostas conclusivas, por isso diz-nos que estamos perante quadrados numas vezes, enquanto noutras nos leva a crer que estamos perante círculos. Na verdade, estamos perante as duas coisas.

São muito raras as pessoas que veem os círculos imediatamente: a maior parte das pessoas identifica quadrados porque essa é a forma geométrica mais comum no nosso quotidiano: os livros são quadrados, os monitores são quadrados, as janelas são quadradas e por aí adiante. O cérebro sabe disso e vê-se livre do problema dizendo que, mais uma vez, estamos perante quadrados. Até que, olhando com mais atenção, lá encontra os círculos formado por quadrados.

A máscara do amor

Créditos: Gianni A. Sarcone, 2011.

O que tem de especial esta máscara de Veneza? A grande maioria das pessoas não repara que, dentro da máscara está um casal de um homem e uma mulher a trocar um beijo. Só conseguem visualizar o rosto de um homem de olhos fechados. Esta ilusão da máscara, criada por Gianni Sarcone em 2011, é mais um exemplo de como uma imagem ambígua, com contornos que podem ser agrupados de dois modos diferentes, pode deixar o cérebro tão confuso que de vez em quando dá uma resposta e de vez em quando dá outra.

Pode demorar algum tempo até conseguir ver o casal a beijar-se, mas assim que o vir o cérebro vai livrar-se da função de arranjar uma resposta definitiva para aquilo que está a ver: de vez em quando mostra o homem, outras vezes mostra o casal. A este tipo de exercício a ciência chama “perceção multiestável” e ocorre quando os padrões visuais são demasiado ambíguos para serem reconhecidos pelo sistema visual com uma única interpretação.

Este tipo de reação do sistema visual do cérebro não acontece noutros sistemas regularmente: outras partes do cérebro usam mecanismos que, por exemplo, escolhem uma das representações e ignoram todas as alternativas. Mas como o cérebro não sabe exatamente o que está a ver, também não consegue gerir essa informação de modo definitivo.

Autor:  in Observador em 1/8/2017


publicado por enfarpeladasocumveu às 00:24
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

Sexta-feira, 4 de Dezembro de 2015
Fundamentals of Neuroscience Presents: Excitation and Inhibition



publicado por enfarpeladasocumveu às 21:32
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

Domingo, 3 de Maio de 2009
Aplicación de las neurociencias al estudio del deterioro cognitivo en la esquizofrenia.

Objetivos: La implicación de las neurociencias en el campo de los trastornos psiquiátricos y en la esquizofrenia en particular, ha posibilitado el estudio del endofenotipo de esta enfermedad (1). El objetivo del presente trabajo es un acercamiento a la metodología empleada en la Unidad de Psicopatología Neurofisiológica, donde hemos analizado los déficits cognitivos en una muestra de esquizofrénicos, utilizando variables pertenecientes a los dominios clínico, neuropsicológico, neurofisiológico y neuroanatómico. Metodología: Se seleccionó una muestra de esquizofrénicos, mediante una serie de criterios de inclusión, procedentes de unidades de salud mental y de centros residenciales de larga estancia. A todos los participantes se les pasó una batería psicométrica clínica para la evaluación psicopatológica; una batería de pruebas neuropsicológicas abarcando todo el espectro de la neurocognición, especialmente memoria, atención, y capacidades ejecutivas; un prueba neurofisiológica, consistente en la onda Mistmach Negativity (MMN) del potencial evocado (2), y una Resonancia Magnética (IRM) tridimensional utilizando la técnica VBM (morfometría basada en el vóxel). Resultados: Resultados preliminares indican una asociación entre una disminución de la sustancia gris del lóbulo temporal izquierdo y alteraciones en la onda MMN del potencial evocado. Conclusiones: Se resalta la importancia del abordaje multidisciplinar en el estudio del déficit cognitivo en la esquizofrenia utilizando la neurociencia aplicada.

 

 

 

VER ARTIGO COMPLETO

 

FUENTE: INTERPSIQUIS. -1; (2009)

García Valls JM(1); Salazar-Fraile J(2); Ordoño F(3); Belloch V(4); Rueda M(3); Adam (2); Herraiz P(2); Martí V (2).



publicado por enfarpeladasocumveu às 02:27
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

Terça-feira, 13 de Janeiro de 2009
El cerebro humano falla en la vejez por la pérdida de materia blanca, no de materia gris

A medida que envejecemos, vamos perdiendo facultades mentales, como la capacidad de recordar ciertas cosas. Los científicos, tratando de reducir este declive, han estudiado a menudo la materia gris del cerebro, es decir, las regiones de la corteza cerebral en las que se localizan las funciones cognitivas más complejas.

Sin embargo, un nuevo estudio del MIT ha revelado que la reducción de nuestras capacidades mentales con la edad estaría más relacionada con la pérdida de la llamada “materia blanca” del cerebro que con la de la “materia gris”. La materia blanca hace referencia a las células nerviosas que están bajo la corteza cerebral y mantiene conectadas las diversas regiones del cerebro.

Según los científicos del MIT, mejorar el funcionamiento de esta parte del cerebro en el caso de las personas mayores, mediante medicamentos especializados o cambios en la alimentación, podría convertirse en una nueva manera de contrarrestar los efectos de la vejez en el cerebro.

Yaiza Martínez - 08/01/2009

 

LER MAIS  E MAIS



publicado por enfarpeladasocumveu às 01:32
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

Quinta-feira, 14 de Agosto de 2008
Revista Chilena de Neuropsicologia

La Revista Chilena de Neuropsicología publica artículos relacionados con la Neuropsicología en un sentido amplio. Su objetivo es constituir una tribuna de discusión y divulgación en torno a la neurociencia, en general, y a las bases biológicas del comportamiento humano, en particular. Además, especial énfasis recibirán todas aquellas temáticas relacionadas con la psicopatología, el daño orgánico cerebral, así como los desarrollos terapéuticos asociados. VER



publicado por enfarpeladasocumveu às 02:02
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

3 ilusões óticas que desv...

Fundamentals of Neuroscie...

Aplicación de las neuroci...

El cerebro humano falla e...

Revista Chilena de Neurop...

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Julho 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2013

Janeiro 2013

Junho 2012

Maio 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Novembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

favoritos

Entrevista a Alexandre Fr...

As feromonas da maçã

Reivindicar outra avaliaç...

A coragem para dizer: bas...

Dez Princípios para uma R...

Pode alguém ser quem não ...

links
Artist a Day
TEMPO
Lisbon Time
CURRENT MOON
CURRENT MOON
Fazer olhinhos
CITAÇÕES
blogs SAPO
subscrever feeds