Sábado, 13 de Setembro de 2014
O Oitavo Hábito - Stephen Covey
Quando o Honrado-pelo-Mundo expôs o Darma, apresentou três pontos básicos.
O primeiro é moralidade, o segundo é 
samádi, o terceiro é sabedoria.

 

Mestre Dao’an (312-385)

O que é a sabedoria?
A palavra do sânscrito para sabedoria é prajña e, em geral, não se traduz. Isso acontece porque a sabedoria prajña é muito diferente do conceito que temos de sabedoria no mundo do samsara, seja em que língua for. Sabedoria prajña é aquela que o budismo considera a mais elevada, constituindo o mais sublime dentre as seis paramitas. Vislumbres da sabedoria prajña levam os seres sencientes à iluminação – algo que seria impossível sem prajña. O Sutra Mahaprajnaparamita diz que “prajña é a mãe de todos os Budas”.
Três formas de cultivar a sabedoria prajña
Os budistas reconhecem três formas de conquistar a sabedoria prajña:
1. Sabedoria alcançada pelo ouvir
Quem tem a boa fortuna de estar próximo de pessoas sábias, que compreendem o Darma, tem a oportunidade de desenvolver prajña ao ouvi-las. É também possível desenvolver a sabedoria lendo sutras e literatura dármica ou assistindo a vídeos e filmes dármicos.
2. Sabedoria alcançada pelo pensar
Depois que se ouve o Darma, faz-se necessário pensar a seu respeito, caso contrário, ele não será de nenhuma utilidade. A sabedoria é uma peculiaridade ou uma condição da mente. Caso não se empregue a mente para sua aquisição, a sabedoria não será alcançada. Nada aprenderá aquele que se recusa a refletir sobre o que ouviu. Através do pensamento, é possível adquirir percepção muito profunda da verdade do Darma. Tudo começa na mente. Quando a mente começa a treinar-se no Darma, nada poderá obstruir seu rápido e alegre desenvolvimento.O Buda ensinou quatro princípios necessários para distinguir entre verdade e falsidade, ou entre sabedoria e ignorância. Disse ele que nossa compreensão deve (1) seguir o Darma, e não as pessoas; (2) o espírito do Darma, e não as palavras que o expressam; (3) o verdadeiro significado do Darma, e não quaisquer interpretações de seu significado; (4) nossa sabedoria profunda, e não nosso conhecimento superficial.
3. Sabedoria alcançada pelo cultivo
Uma vez tendo desenvolvido a sabedoria por ouvir o Darma e refletir sobre seu significado, devemos começar a praticar o que aprendemos. Muitas vezes, a prática do budismo é chamada de “cultivo”, porque cultivamos a sabedoria e o bom comportamento, da mesma forma que um agricultor cultiva seus campos.O terreno da interação entre o pensamento e o comportamento constitui o principal campo a ser cultivado. Avança-se no budismo por meio de um processo contínuo de observação do próprio comportamento, que é ajustado para entrar em consonância cada vez maior com a sabedoria do Buda interior. Esse processo de aperfeiçoamento contínuo acaba por produzir a percepção direta da não dualidade e do vazio inerente a todos os fenômenos. Esse é um estado de júbilo. 
VER MAIS AQUI


publicado por enfarpeladasocumveu às 20:58
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

O cérebro controla quanto...

3 ilusões óticas que desv...

Could changes in thinking...

“Bullying” na infância te...

AS ARMAS BIOLÓGICAS CONTR...

Como o genoma de 14 esque...

SINAIS PRECOCES DE UM POS...

Qué es la matriz extracel...

Estimulación Magnética Tr...

Part 7/8: Poetry of Perce...

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Julho 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2013

Janeiro 2013

Junho 2012

Maio 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Novembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

favoritos

Entrevista a Alexandre Fr...

As feromonas da maçã

Reivindicar outra avaliaç...

A coragem para dizer: bas...

Dez Princípios para uma R...

Pode alguém ser quem não ...

links
Artist a Day
TEMPO
Lisbon Time
CURRENT MOON
CURRENT MOON
Fazer olhinhos
CITAÇÕES
blogs SAPO
subscrever feeds