Sexta-feira, 28 de Março de 2008
O Erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano – António R. Damásio[1]

 Actualmente, vários estudos têm abordado de forma mais sistemática um “velho” tema, o das emoções e a sua importância no controle do comportamento, incluindo as chamadas funções mentais superiores como a percepção, aprendizagem, memória e inteligência. Realmente, nos últimos tempos, a emoção e a cognição têm estado mais no cerne das investigações e, em Portugal tal aconteceu, nomeadamente, após a edição do livro de António Damásio O Erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano”.

De facto, desde essa primeira edição, em 1995, muita coisa mudou nas concepções da relação entre o corpo e a mente, na relação entre a razão e a emoção. Também desde então se alargaram os horizontes relativamente às questões da distinção entre doenças do «cérebro» e doenças da «mente», tal como entre problemas «neurológicos» e «psicológicos» ou «psiquiátricos» que como é referido pelo autor, “constitui uma cultural infeliz que penetra na sociedade e na medicina” (Damásio, 2005: 60). Contudo os horizontes passaram a alargar-se na sequência dos casos referidos nesta obra de tal modo que, desde então, a sociedade e a cultura começam a compreender melhor a relação de proximidade existente entre o cérebro e a mente, havendo mesmo já quem comece a aceitar que algumas imperfeições de carácter não são culpa das pessoas que as apresentam, nem dependem da sua vontade, como outrora era considerado. Hoje em dia já se começa a compreender que alguns comportamentos menos adequados que afectam a conduta e as emoções apresentando-se como inconveniências sociais difíceis de compreender e aceitar, decorrem de doenças da mente e são fruto de problemas vários ou de lesões cerebrais existentes, a maior parte das vezes desconhecidas, e não da responsabilidade do querer e do livre arbítrio de cada ser humano que as apresenta. Mais, há situações de doentes com anomalias profundas em termos de comportamentos sociais que podem ter um excelente desempenho em termos de inteligência, memória e raciocínio mentais. De facto ainda estamos longe de poder imediatamente avaliar estas situações pois os meios de diagnóstico ainda são algo rudimentares. (...)



publicado por enfarpeladasocumveu às 01:43
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

O cérebro controla quanto...

3 ilusões óticas que desv...

Could changes in thinking...

“Bullying” na infância te...

AS ARMAS BIOLÓGICAS CONTR...

Como o genoma de 14 esque...

SINAIS PRECOCES DE UM POS...

Qué es la matriz extracel...

Estimulación Magnética Tr...

Part 7/8: Poetry of Perce...

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Julho 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2013

Janeiro 2013

Junho 2012

Maio 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Novembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

favoritos

Entrevista a Alexandre Fr...

As feromonas da maçã

Reivindicar outra avaliaç...

A coragem para dizer: bas...

Dez Princípios para uma R...

Pode alguém ser quem não ...

links
Artist a Day
TEMPO
Lisbon Time
CURRENT MOON
CURRENT MOON
Fazer olhinhos
CITAÇÕES
blogs SAPO
subscrever feeds